O aperto dos gordinhos

O aperto dos gordinhos

Apesar dos cidadãos brasileiros acima do peso serem quase metade da população, gente grande ainda sofre para sair, comprar roupas e conseguir empregos

Segundo o Ministério da Saúde, em 2011, 48,5% da população brasileira está acima do peso. Mesmo com uma população na qual os esbeltos logo poderão se tornar minoria, são muitos os desafios do dia a dia. Desde comprar roupas sem cara dos nossos avós, até, muitas vezes, discriminação na hora de procurar emprego. “São situações que fazem com que muitas pessoas se privem da vida social”, diz a endocrinologista Claudia Cozer, coordenadora do Núcleo de Obesidade do Hospital Sírio-Libanês. “Tem gente que, em vez de se cuidar, acaba trancada em casa, triste e comendo ainda mais.”

Segundo o headhunter Gutemberg de Macedo, mesmo sendo velado, existe preconceito para contratação de obesos. O próprio governo estadual de São Paulo causou polêmica ao vetar professores concursados da rede pública de ensino por sofrerem de obesidade, já que a doença causa ou agrava várias outras, como diabetes e hipertensão. Após o debate do caso na imprensa e a crítica de entidades como a Ordem dos Advogados do Brasil, os reprovados foram reavaliados e a maior parte, enfim, assumiu o cargo.

A legislação brasileira referente à acessibilidade determina que estádios e outros centros de lazer devem reservar 2% dos lugares para pessoas com mobilidade reduzida, incluindo cadeirantes, idosos, deficientes visuais e obesos. No entanto, na Copa e Olimpíadas, este percentual foi reduzido para 1% da capacidade do evento. Segundo a FIFA, o valor médio do ingresso será o mesmo do valor médio do ingresso para o público em geral. Para ter direito ao assento, é preciso comprovar a condição por meio de atestado médico, com carimbo do médico e CRM, contendo a indicação do CID. Pessoas com obesidade em grau I (IMC acima de 30) já podem utilizar as cadeiras especiais.

Segundo Andrea Sanchez do Procon, apesar da lei que permite a devolução do dinheiro para quem não consegue usufruir o ingresso devido a esse aperto, poucos são os que reclamam. É um contraste com o que acontece com os cadeirantes, já habituados a reivindicar seus direitos de acessibilidade.

Na moda, quem excede as medidas ainda sofre para achar algo arrojado, mas isso tem mudado a passos lentos. Algumas redes adotaram os tamanhos maiores nas suas grades: Camisarias Varca, forte em trajes sociais, Kauê, com peças mais esportivas e Renner, cuja moda plus size traz peças com detalhes em renda, animal print, cores que são tendência e modelagens confortáveis e superalinhadas com o corpo da mulher brasileira. A estilista Andreza Calil é proprietária da Wish Fashion, primeira loja virtual plus size do País. A proposta é garimpar os melhores produtos das marcas e vendê-los pela internet, além de dar dicas de moda com looks prontos.

“Os modelos do tipo saco de batata, que eram confortáveis e só, estão sendo substituídos por itens que poderiam ser achados em qualquer loja”, afirma Renata Vaz, a paulistana mais influente do mundinho fashion GGG. Ela é a criadora do blog Mulherão, e do Fashion Weekend Plus Size (uma espécie de versão rechonchuda do evento oficial de moda, São Paulo Fashion Week).

Finalmente começam a ser atendidos consumidores que sempre foram ignoradas pela mídia e pela indústria da moda, que investe num padrão de magreza que não tem nada a ver com as curvas da brasileira. E mais uma vantagem nesta tendência: um nicho próspero para modelos gordinhas vem sendo aberto no País.

Todos os envolvidos diretamente na onda “orgulho fat” ressaltam que ninguém quer fazer apologia da obesidade, mas incentivar essas pessoas a aceitar mais suas características e, ao mesmo tempo, adotar um estilo de vida saudável. A cidade também está cheia de gente que busca a autoaceitação correndo atrás do corpo perdido. Só o tradicional Vigilantes do Peso, por aqui desde os anos 80, alardeia que seus 16.000 frequentadores paulistanos perderam juntos 113 toneladas em 2010. Há grupos menos conhecidos, como os Comedores Compulsivos Anônimos (baseado nos princípios dos Alcoólicos Anônimos), uma das opções gratuitas para quem procura um caminho sem medicamentos nem cirurgia.

 

fontes e referências:

O aperto dos gordinhos em São Paulo
Gordinhas Unidas
Wish Fashion
Blog Mulherão

Você também pode gostar...

Veja os Comentários na área Cartas do Leitor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blog Aqui Pode